369074-5b18b7b2-630x354o-1346a35f1a24Os primeiros movimentos de um jogo de xadrez podem ser jogados de forma aleatória, ou podem ser organizados para formar uma estratégia coerente. Xadrez é acima de tudo um jogo de lógica e planejamento, então o jogador que coordena seus movimentos em direção a um final quase sempre derrota um adversário cujos movimentos não têm propósito ou são inconsistentes. Este artigo preocupa-se com movimentos iniciais que tem sentido em conjunto e tenta explicar o raciocínio subjacente a esses movimentos.

A primeira ordem de trabalhos consistirá em esclarecer o âmbito da nossa investigação e nos orientarmos no mundo das aberturas. Então olharemos para algumas idéias subjacentes de aberturas bem sucedidas.
O que é uma abertura?
De um modo geral, uma abertura é definida como os movimentos introdutórios de um jogo de Xadrez. Uma abertura começa no primeiro movimento da partida.
A pergunta óbvia que se sugere é surpreendentemente difícil de responder: Quando a Abertura termina e o meio jogo começa?
Não existe um acordo geral entre os jogadores ou autores sobre isso; Em muitos casos, o que existe é um julgamento subjetivo informado por meio de experiência. Nos nossos artigos, vamos definir aberturas (e suas variantes) como seqüências de movimentos que são nomeados especificamente, com o nome de uso comum do xadrez e, por vezes, para um complexo de posições relacionadas. A vantagem de usar esta convenção é que podemos saber com precisão o que mover em uma abertura ou quando a variante termina.
Por exemplo, a “Abertura Inglesa” é definida por um único movimento branco: 1.c4. A “Defesa Siciliana” consiste em 1.e4 c5. E a variação denominada Najdorf é delimitada pelos movimentos
1.e4 c5 2.♘f3 d6 3.d4 cxd4 4.♘xd4 ♘f6 5.♘c3 a6. Ao definir a palavra abertura para designar movimentos com nomes que estão em uso geral, evitamos lidar com essas seqüências quase irracionais como 1.a4 e5 2.f3, que não se enquadram na categoria de aberturas definidas. Há muito poucas aberturas significativas que são anônimas, mas eu falarei sobre elas se a ocasião surgir.
A maior parte dos meus artigos estarão relacionados com as grandes aberturas que podem ser identificadas dentro de quatro movimentos.
Por exemplo, o Ruy Lopez (1 e4 e5 2 ♘f3 ♘c6 3 ♗b5), ou a Defesa Grünfeld (1 d4 ♘f6 2 c4 g6 3 ♘c3 d5), cada um dos quais subdivide-se em “variantes”.
Variantes conhecidas de Aberturas podem ser quase tão extensas quanto a própria Abertura.
Por exemplo, a Variante Fechada da Defesa Siciliana tem apenas dois movimentos: 1.e4 c5 2.♘c3; e a Variante Exchange do Ruy Lopez (também conhecido como o “jogo espanhol”) consiste em quatro movimentos 1.e4 e5 2.♘f3 ♘c6 3.♗b5 a6 4.♗xc6.
A Variante Lasker do Gambito da Dama se distingue pelos sete movimentos 1.d4 d5 2c4 e6 3.♘c3 ♘f6 4.♗g5 ♗e7 5.e3 0-0 6.♘f3 h6 7.♗h4 ♘e4
Mas algumas variantes derivam de outras variantes. que podem resultar de outros ainda, e assim adiante.  Por exemplo, a variante chinesa da Siciliana Dragão evolui a partir desta ordem de  movimentos: 1.e4 c5 (esta é a ‘Defesa Siciliana’) 2.♘f3 d6 3.d4 cxd4 4.♘xd4 ♘f6 5.♘c3 g6 (os movimentos até agora são conhecidos como a “Variante Dragão”) 6.♗e3 ♗g7 7.f3 ♘c6 8.♕d2 (estes oito primeiros movimentos definem o ‘Ataque Iugoslavo’) 8 … 0-0 9.♗c4 (alguns autores referem-se a este como o♗c4 Ataque Iugoslavo) 9 … ♗d7 10 0-0-0 e agora com 10 .. ♖b8, chegamos a Variante do Dragão Chinês da Siciliana.
Se algo disto é confuso, você não deve se preocupar, ficará claro quando publicarmos nossos artigos. Pelo menos é o que espero. Neste esquema geral, a palavra “teoria” é dada para indicar movimentos específicos que foram previamente jogados ou analisados e são conhecidos por uma porção significativa da comunidade de xadrez, geralmente através de publicações ou bases de dados. Dentro da maioria dos casos, mas não todos, podemos pensar na teoria como representando o fim da fase de abertura do jogo, mas não a própria abertura. Teoria pode portanto, estender-se muito para dentro do jogo porque as pessoas em todo o mundo repetidamente jogam a mesma Abertura e consistentemente adicionam novos conceitos  ao que é conhecido sobre isso.
A Abertura tem certas características que a distingue das outras partes do jogo, especialmente do final. Na abertura uma grande maioria das peças e peões ainda estão no tabuleiro.
Nesta situação, é perfeitamente possível que em cada posição há dois, três ou mais movimentos que são de igual valor, por isso não podemos decidir na prática ou mesmo com retrospectiva, se um movimento é mais efetivo do que outro. Mesmo se um supercomputador hipotético pudesse resolver a posição, o resultado final do movimento seria geralmente o mesmo – por exemplo, um empate. Assim, um jogador pode ter uma ampla escolha que é mais uma questão de gosto e estilo de jogo do que uma qualidade objetiva. Podemos contrastar essa situação com outra parte do jogo – o fim de jogo. Na maioria dos finais, com apenas algumas peças no tabuleiro, podemos estabelecer precisamente qual o efeito final de um determinado movimento. Conseqüentemente, muito poucos movimentos serão feitos simplesmente porque é o estilo de jogo de alguém.
Você também deve observar que os jogadores fazem uma ou duas imprecisões na abertura e ainda não ser punido com uma posição perdida.
Em contraste, um único erro em um Rei e Peão, por exemplo, pode ser fatal, e punição pode vir rapidamente para até mesmo uma pequena Imprecisão de fim de jogo.
Assim, muitas decisões no final são inequivocamente certas ou erradas e pode ser demonstrado.
Na abertura, no entanto, um jogador tem mais margem de manobra, o que significa que é capaz de abordar posições de forma mais criativa,
Sem precisar calcular variantes para uma vitória ou perda. Isso permite que jogadores, de qualquer força, criem novos movimentos de abertura. Aberturas também são mais indulgentes com relação às características estáticas do jogo.
Além disso, existem muitas posições de abertura que são caóticas e desafiam a simplificação comum.
Não deve ser surpreendente que o meio jogo compartilha recursos com a Abertura e tende a incluir decisões mais imediatamente críticas.
Um ataque ou defesa imprecisa, pode levar a derrota instantânea e posição críticas tendem a ser mais difíceis de resolver.
Por outro lado, a maioria dos movimentos não altera radicalmente o caráter estratégico da posição. Mesmo tendo em conta a possibilidade de erro irreparável, a maioria das posições de meio jogo, são ainda bastante flexíveis para suportar mais de um movimento funcional e, as vezes, mais de uma estratégia.
Colocando esses detalhes de lado, o que é extremamente Importante e deve ser uma parte do seu xadrez, é seguinte pensamento: a maioria das características de um jogo, fora de perda material ou retrocesso catastrófico, podem ser alterados ou evoluirão por vontade própria como o jogo vai de abertura para o final.

Dominar a abertura é, em certa medida, o reconhecimento desse fato e adaptação a ele.

No nosso próximo artigo sobre o tema, falaremos sobre as Propriedades Elementares das Aberturas. Aguardem!

Também estamos esperando seus comentários, só assim saberemos se estamos ajudando.

Varela

Um comentário em “Dominando as Aberturas de Xadrez – Parte I

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s