screen-shot-2017-01-15-at-10-02-07-amTalvez o cálculo seja uma das principais habilidades necessárias para um indivíduo tornar-se um bom jogador de xadrez. Ele concorreria, com boas chances de ganhar inclusive, juntamente à análise de posição e a elaboração de planos.
Para muitos teóricos essas três habilidades poderiam ser consideradas essenciais, principalmente se essa leitura for feita sobre uma ótica reducionista, a lá René Dèscartes. Contudo, é possível observar que elas podem sofrer a influência de fatores externos ao tabuleiro, o que aumenta a complexidade do jogo e também a sua atratividade, num nível mais sutil, devido a esses desafios.
Você já parou pra pensar como ficam seus cálculos faltando 20 segundos para o fim de uma partida? E como ficariam se você estivesse em desvantagem material ou posicional? Diante de forte pressão psicológica imposta pela subjetividade nos lances do adversário, você consegue manter a qualidade do seu cálculo?
Talvez possa haver diferentes tipos de cálculo no xadrez? Será? A habilidade de calcular, por si só é única e cada indivíduo o faz de acordo com as suas percepções sensoriais, suas percepções de mundo (valores pessoais intrínsecos ou influências absorvidas no espaço tempo corrente ), suas percepções acerca das relações entre as peças numa determinada posição e a interação entre todas essas situações orientando a sua tomada de decisão. Mas e o que isso tem a ver com a pergunta anterior?
Simples. O cálculo é sempre útil, mas pode haver momentos no jogo em que a avaliação da posição e a elaboração de planos orientem as direções dos cálculos. Por exemplo, diante de forte pressão psicológica do oponente e em desvantagem material, possivelmente a avaliação da posição e a elaboração de planos vão te dizer algo parecido com isso: “segura!!!” Ou ainda: “te escapa Vilmar!” E ainda: “contra-ataca se der!”. Essas proposições lógicas podem ser sugeridas pela sua percepção ao avaliar a posição e elaborar os planos, também podem ser sugeridas pela sua intuição baseada nos seus valores pessoais, na sua experiência de vida e sua experiência de jogo no xadrez. Tudo isso estará orientando o seu cálculo.
Você é uma pessoa esperta e já captou intuitivamente a mensagem desse texto. Pode haver cálculos orientados para a defesa de uma posição, cálculos orientados para a obtenção de vantagem material, cálculos para a abertura de uma posição fechada, cálculos para dar xeque mate, cálculos para atacar e impor fragilidades defensivas ao rival, cálculos para encontrar a coordenação necessária das peças enquanto defende pra depois atacar. Enfim, uma infinidade de possibilidades, sempre orientadas pela avaliação da posição e pela elaboração de planos invariavelmente, mas também pelo feeling dos jogadores envolvidos numa partida com relação aos possíveis direcionamentos do jogo.
Você notou como os cálculos podem ser complexos de acordo com os planos que os orientaram? Todo cálculo tem um ponto de partida e um objetivo, um ponto de chegada e, as táticas e combinações são sequências de jogadas que podem surgir após um cálculo detalhado e preciso.
Nós seres humanos, principalmente enxadristas iniciantes e amadores, normalmente utilizamos lógicas simples e concretas na elaboração de planos das nossas jogadas. Já os GMs e as engines, com a evolução tecnológica, se baseiam muitas vezes em lógicas mais abstratas e subjetivas como uma peça poder ter várias opções de movimentos numa determinada posição no lance seguinte.
Mas e agora? Devo calcular como a engine ou buscar os meus conceitos e estilos próprios de cálculo? Se dependesse de mim eu te diria para focar na segunda opção e buscar através da leitura dos pgns dos seus jogos e dos jogos de enxadristas que você admira, sejam eles Mestres ou o seu vizinho, observar quais são os conceitos que você costuma usar nas suas partidas. Faça isso! Pode ser interessante…
Calcular como uma engine pode ser interessante também, e muito útil inclusive, mas quanto mais lógicas de orientação de movimentos e cálculos você tiver armazenadas na sua mente, mais condições você terá de achar um lance bom, eficiente ou até magnífico para iniciar as suas sequências de jogadas vencedoras, sejam elas para dar um mate ou melhorar uma posição ou o que quer que seja a proposta da posição.
Lembrem-se! Somos humanos, as máquinas operam pautadas apenas em lógicas pré-determinadas por algoritmos complexos, mesmo as que contam com inteligência artificial. O seu feeling pode determinar quando é a hora de calcular como engine ou seguindo os seus conceitos.
Saudações enxadrísticas. Movam seus peões!

Alexandre Herzog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s